sábado, 30 de março de 2013

DANÇA comigo, mais uma vez ;)


Olho-te e acho-te perfeito
Um príncipe, o meu sonho encantado de criança
Vejo-te, tenho-te por perto, 
mas agora é tarde, eu anoiteço

Fiquei girando parada, 
dias sem fim, mirando-te cansada
Amei-te cada instante mais e mais
A noite apareceu e num segundo 
tudo se esfumou na minha frente

Olho-te cada instante 
e és uma miragem, impossível e distante
Sonho-te como se pudesses ser meu, 
mas foges-me na magia desse deleite
Não, não pode ser, já não sou uma criança, 
e o meu sonhou à muito adejou

Para mim já não se abrem as açucenas
e as rosas há muito desabrochadas 
já perderam o seu perfume
As margaridas viraram-se para o sol e 
não querem mais sorrir para  mim  
E nem o sol que me sorria antes,
ou a lua. que nas noites escuras me iluminava tanto
querem agora saber de mim

Não, não és, nunca foste nada meu
É tudo um sonho, um pesadelo
Não és meu pai, nem tio, nem irmão, 
nem amado amante, só amigo, 
sim amigo eu sei que és e honesto e puro.




Não és meu nem de ninguém,
és apenas algo que sonhei  
e segurei nas minhas mãos um certo tempo
Mãos velhas e cansadas que te deixaram sumir depressa 
e  voar para bem longe

Mas mesmo assim, quero-te bem e tudo
abraço-te no meu sonho 
e sinto-te no aconchego que me dás 
em troca do colo quente que te dou em sonhos
nesse enlevo de carícias e abraços doces 
E assim fico distante de hoje, 
rejuvenesço, ganho força
volto a ser a jovem de antes, 
uma mulher diferente
de corpo esbelto, olhar brilhante e luzidio, um espanto
que se outrora a visses, quem sabe se gostarias 
mas então nunca a verias, não eras sequer uma criança.

E agora, antes que me solte deste sonho
queres vir dançar?
Anda, acorda e como eu vem e dança comigo.
Anda, dança comigo mais uma vez, esta última salsa.





FOTOS do Google

ÉS o meu vendaval ;)



Pudesse eu ser vento batendo na tua face
Tu o meu vendaval, levando-me para o espaço
Eu ser trigo e tu fazeres de mim o pão que sacia os famintos
Pudesse eu ser o mar e tu um areal imenso
Eu dar-te tudo o que tenho e receber de ti igual tamanho
Pudesse eu viver contigo nua de mágoas 
e tu comigo feliz e prazeroso
Viver ligada a ti como uma sombra inteira, tua, 
mas sem te prender a mim, sem te ter preso a amarras
Ser tua e tu meu, como se é num amor total, 
pleno e sem fronteiras

Eu seria feliz, seria riso, cor, brilho na noite mais escura
Teria uma vida diferente, seria a tua teia
O teu castelo e tu  meu senhor e rei, 
Na tua moradia seria tua serva
Poderia algures ser eu a tua casa e  tu a minha força 
e assim contigo em mim eu seria mais cheia de graça 
bailaria sem dor e para sempre de coração inteiro.


Olhando-te numa dança tribal, 
presa no teu braço forte sentindo o teu abraço,
girando contigo eu seria uma gigante como nunca antes  

A tua força enorme tal como a de um guerreiro 
seria o meu lema, a minha bandeira. 

Tu, que tudo podes, és a minha força desmedida o meu alento
A minha esperança e num todo sem o saberes, me completas,
dás-me  vida e o ar que respiro a cada instante

O alentar que preciso, me conforta 
me faz nascer de novo e para sempre, vem-me de ti

Para te ver,  olhar e ter comigo perto 
eu faria tudo mesmo o que não posso

És do mundo, não és meu nem de ninguém
Na dança sonhas, transformas-te 
e encontras a magia que tu és por completo

O que eu vejo em ti e em mim depressa  permanece 
é  algo mágico que em mim fica e que desejo

De longe sem te ter, nem usufruir de ti nunca algum direito
Vou desejar-te sempre, vou ver-te e sonhar como és:
Um príncipe, um rei, um passarinho esvoaçante 
uma libelinha dançante FELIZ e solta.
A minha inspiração neste deserto em que giro: árido e sertanejo




OS MEUS LIVROS NO BRASIL




"MULHERES SINGULARES" e  "AQUI VAI O LENÇO" , os meus primeiros livros, chegaram ao Brasil

Você que vê o meu blog desse lado me ajude a atingir o objectivo de vender 2500 exemplares, para a minha editora A CHIADO  traduzir noutras línguas e o difundir pelo mundo.




OS MEUS LIVROS  estão com toda certeza na loja virtual Solivros (www.solivros.com.br) e também na Saraiva.

Para além disso, a obra será apresentada nestas livrarias:
Sabor & Saber Livraria Café
Av. São Pedro, 300 - Loja 109. Centro - São Pedro da Aldeia, Rio de Janeiro

Livraria do Café
Rua Marquês de São Vicente, nº 52, loja 338
CEP 22451-040 Rio de Janeiro

Livraria Notre Dame
Av. XV de Novembro 1883, Loja 37 – Centro.
Nova Petrópolis
CEP 95150-000. RS

Ama Livros Ltda
ME. Rua Humberto Felipe nº 35 CEP.: 93224-450
Bairro Sete. Sapucaia do Sul. RS

Livraria Sucelus.
Av Borges de Medeiros, 2727 Centro Gramado RS sala 23/25 Rio Grande do Sul

Livraria Contextos
Av. Juarez de Távora, 531 C Bairro Torre
CEP 58040-021 João Pessoa. Paraíba.

Kactus Livraria e Papelaria
Rua Barros Falcão, 6 - Loja 1, CEP 40255-370 Salvador. Bahía.

Livraria Lua Nova - Benfica
av 13 maio 2861, Bairro Benfica CEP 60040-531 Fortaleza. Ceará.

Livraria Didática - Setor Central
Rua 4, 789 - Setor Central, Goiânia - GO, CEP 74020-060, Goiânia. Goiás.

Livraria o Mensageiro
Rua Laranjeiras, 30 Centro. SE, 49010-000 Centro, Aracaju. Sergipe.

Livraria do Chain
Rua General Carneiro, 441
CEP 80.060-150 – Curitiba. Paraná

Rondonlivros
Av. Marechal Deodoro, 2821 – Centro. CEP 76.801.260 Porto Velho. Rondônia

Praia do Suá
Av. Leitão da Silva, 303, Praia do Suá
CEP 29050-045 - Vitória. Espírito Santo.

Shopping Vitória
Av. Américo Buaiz, 200, loja 104/104A, Enseada do Suá, Praia do Canto. CEP 29050-902 - Vitória. Espírito Santo.

Shopping Norte Sul
Av. José Maria V. Santos, 400, loja 146, Jardim Camburi. CEP 29092-105 Vitória. Espírito Santo.

Shopping Jardins
Rua Carlos Eduardo Monteiro Lemos, 262, Jardim da Penha
CEP 29060-120 - Vitória. Espírito Santo.

Logos Livraria Virtual

Livraria Rodoviária
Plataforma Superior da AERB Ljs 8-9-10 ASA SUL. CEP:70089-970 Caixa Postal: 3543 Brasilia. DF.

Horizonte de Saber Distribuidora
SQS 212 Bl:A /605 Asa Sul Brasília DF CEP 70275-010. DF.

Betel Livro & Café
Rua Guiomard Santos, 348 Bairro Bosque. CEP 69.900-724 (novo) Rio Branco. Acre.

ALVES LIRA LTDA
RUA HENRIQUE MARTINS, 396 - CENTRO
CEP: 69010-010 Manaus. Amazonas

MS Distribuidor
Rua Maracaju 607. Bairro Vila Cidade. Campo Grande. CEP: 79002-210. Mato Grosso do Sul






quinta-feira, 28 de março de 2013

TU ÉS O MEU ...TUDO :)


Tu és o meu mar, o meu sol, o meu anjo, o meu fogo sem calor, labareda estática, o meu tudo e nada, a minha mágoa e lamento, o meu sorriso, a chama que me consome o interior com fervor e não me apaga, és a minha força e libertação, a minha vida e alegria e nela a pena de não te ter tido como te desejei sempre.

A agitação dos meus sentidos, por te querer tanto, mata-me. 


O ímpeto voraz e ígneo da força deste amor que sinto inexplicável é inapagável, sofrido e duro. Tu és o trovão que fendeu em mim a rocha e aí ficaste.

Um dia perdi-me na tua boca e não mais esqueci aquele banco onde toda me beijaste, me juraste amor eterno e eu te disse que seria tua até à morte. 


Prendi-me naqueles abraços, nos teus beijos lambuzados e doces e aqui estou contigo desde então. Jurei-te amor fiel e apesar de não ter abraçado o almejado, fiquei. 


Tu a quem eu dei e cedi inteiros a minha alma, o meu corpo alvo e puro, a quem sempre quis mais que a mim, ao mundo e à vida, quero-te sempre tudo no amor, no desprazer, na dor e no lamento. 

Tu a quem cedi a minha alma faminta de desejo, sede e fome de ternura, por quem fui mal-amada (tu sabes, disse-to muitas vezes), hoje, ainda mais que antes e para sempre, quero-te com a mesma loucura.


Sobre os lençóis brancos da nossa cama ondulaste mil vezes arando com o teu o meu corpo insaciado e ávido, depondo nele os teus desejos que eu colhia dando-te o melhor de mim: o mais sincero e fiel amor.


Calada, presa nos teus abraços, sorri, chorei e vivi sabendo-os pouco. 


De ti, recebi no ventre as sementes que nos deram os frutos que queríamos: outras vidas, o futuro, a nossa vida a continuar o nosso mundo.


O que me deste eu amei, mas chorei a dor, pois louca de amor senti muitas vezes o nada. 


Rasguei de mim a minha carne e dei-ta viva e o meu sangue alimentou cada desejo teu e fui tua sempre que me buscaste. 


Eu em ti, do desejo que sonhei, pouco busquei além da força. Eras então já o meu pilar. 

E presa a ti fiquei.
Fui-te fiel. Mas tu tocaste-me tão de leve a pele, mas tanto, que mal retive nela a macieza da ternura desse toque e nos meus sentidos persiste ainda a vontade carpida e louca do meu maior querer: o ter-te em mim inteiro e rasgado de pudor, penetrando-me pleno e completo, como se fosse ali, em nós, acabar o mundo.
Afagando o meu corpo como se fosses anjo, lambendo-me cada recanto meu e eu subjugada, perdida de loucura, sentir-te todo em mim e eu em ti, não como se fosse um sonho mas um fogo ardente, vivo, que me matasse e eu, contigo, viva respirasse. 

Isso, tu, meu amor, meu tudo, isso, tu nunca me deste.



Inês Maomé





Fotos do Google


segunda-feira, 25 de março de 2013

Choro...choro....


Choro, mas nem sei porque choro
pois é tanto o que me machuca e dói
que  choro, choro
e o resto não me importa

Sinto no choro uma terapia,
um alívio das mágoas que sinto,
das feridas feitas não cicatrizadas.
Das coisas mal feitas e mal ditas,
e das outras 
que nunca foram acabadas nem ditas
Choro e no meu pranto 
desafogo a desventura
E nesse choro eu grito para dentro de mim
engolindo as lágrimas desditas,
as que não chorei antes 
por ser tudo tão mau 
e eu aflita nem chorar sabia
e devia, 
pois não se mata de fome 
quem já morreu faminto.

Inês Maomé

Fotos do Google

quinta-feira, 21 de março de 2013

ManiFesto ANTI-CRISE


A furiosa vassoura do delírio arrancou-os de si mesmos: 

estavam exaustos, fartos no seu limite.

Sacudiu-os para as ruas profundas das vilas e cidades 
gritando ao mundo as suas faltas e mágoas.

“Temos que aniquilar os corruptos, calar os políticos loucos, 
largar a pesada coragem e ir à luta.

Abaixo os poderosos abastados, sem alma, 
de fatos cinzentos vincados, que tudo tem e nada dão.

Estamos dispostos a ajudar à queda final dos políticos corruptos,


 indignos da governação “ 
O silêncio em mim escureceu mais, 
dei um grito, 
escutei de súbito os apelos,

o brado agoniado dos meus famigerados compatriotas que, 
com paixão, pediam: 
pão, saúde, trabalho, proteção.

O poeta precisa cantar o amor à dor do vencer, 
ao perigo, à coragem, audácia e indignação.

Precisa exaltar a vigília delirante, 
a corrida à cadência atenta do pulo fatal para a reconstrução.

Precisa cantar que o país é próspero, 
ganhou algo novo: vencerá a crise com amor e paixão.

Vamos correr, tocar o topo, 
que a melhor e mais bela luta, 
a campeã, é sempre uma obra-prima.

Nada de olhar para trás que, 
se queremos arrombar as portas do impossível, 
o ontem já morreu.

Hoje vivemos em absoluto a eterna celeridade ubíqua 
de tudo poder querer e com garra vencer.

Exultemos multidões agitadas que clamam trabalho, 
saúde, casa e que, com inteligência, os terão.

Vamos falar-lhes da força do amor na reconstrução. 
Poetas lancem ao mundo este aviso:

“O Manifesto ANTICRISE”nasceu, aqui e agora, 
empunhemos todas as armas que temos à mão.

Este país tem que se libertar do cancro que o afeta. 
Nada de olhar o passado, isso a nada leva.

Daí sairemos vazios, sem aprender mais, 
danados, fatalmente diminuídos e mais pisados.

Vamos construir um mundo inovado. 
A anticrise pede creditação, eu acredito e TU, não?

Olha a gaivota a voar.
 SIM, sai do sofá de onde gritas, 
vê que o amor existe e ajuda nesta luta.

E o resto: a amizade, a união do povo, o respeito por ti, por nós, pelo Mundo, juntos facilitam.

Sim, “POVO”, que eu sou também, abre os olhos:
 não somos, não estamos no terceiro mundo.

Não queiramos isso de novo. 
Voltar para trás não, ouviram? 
Vamos à luta inteligente: desistir não!

Abaixo a crise, morra viva, 
assada numa fogueira, 
como se fosse uma BRUXA.


Inês MAOMÉ

fotos do google

terça-feira, 19 de março de 2013

Publique gratuitamente o seu livro com a Bubok



Blog da Bubok – Publique gratuitamente o seu livro com a Bubok

Ideias para o seu livro: diário de um nascimento!

Publicado em 18 de Março de 2013



Na véspera do Dia do Pai vamos dedicar um post aos que acabaram de saber que vão ser pais. (Parabéns!) Os nove meses de gravidez vão ser caóticos para o pai e para a mãe: vão passar grande parte do tempo entre o trabalho e as consultas no médico, a comprar roupinhas, a montar móveis e a pintar as paredes do quarto do futuro bébé, etc.

Mas em breve chegará o dia do nascimento. E, preparem-se, este será o dia em que vão ver o bebé mais bonito de sempre. Os olhos, os gestos, os ruídos, não há nada que pudesse ser mais perfeito. Estes dias serão inesquecíveis para vocês mas, e se tratassem já de os guardar para depois os partilharem com o vosso filho (ou filha!) no futuro?

A nossa sugestão só podia ser uma: façam um livro, anotem as suas lembranças, junte as fotografias e documente todas as etapas de crescimento do seu bébé. E, assim daqui a uns anos, também o vosso filho vai saber exactamente o que fez desde o primeiro dia e como os pais estiveram sempre com ele.

Conseguem imaginar a cara dos avós ao receberem esta prenda?

Uma última dica. Se estiver a pensar fazer um blogue para partilhar a gravidez e o crescimento do seu filho pode facilmente transformar esse blog num livro (pergunte-nos como).

O que achou desta ideia? Será esta a melhor prenda que pode dar ao seu filho: a sua história de vida contada num livro? E, já imaginou se, um dia mais tarde, os seus netos virem este livro e derem continuidade à sua ideia?


Marta Furtado (responsável de Suporte da BUBOK.pt)

segunda-feira, 18 de março de 2013

FECHO-ME EM MIM



Enrolo-me em mim e em mim me fecho
como se fosse uma bola pequena, 
um casulo,um caixa escura,
a minha morada oculta
procurando fazer uma concha 
sossego e refugiu-me nela
e aí permaneço  tempo eterno

Não sei se sei o que tenho,
mas inunda-me o desconforto da solidão
invade-me um vazio profundo 
que me envolve e facilmente me domina.

Fecho-me em mim mais ainda,
enrolo-me o mais que posso.
quero esconder-me do mundo, esquecer os meus pensamentos
olvidar tudo e todos e ficar assim fechada para o mundo.

Sem ouvir nem ver, ser saber de nada, surda e mouca, fico
Escusada e esquecida de tudo e todos 
e se dormisse seria um sonho.
Lá fora corre o tempo que de mim nada sabe nem se importa 
e eu deixo
Enrolo-me toda, encolho-me, 
estreito-me o mais que posso.

Dentro de mim chove e neva. 
Lá fora não sei que se passa, nem me importa.
No meu coração neva, e a cada passo que penso que dou no pensamento
cai dentro de mim mais neve, o frio gela-me e chove como nunca vi

Chove tristeza e desgraça. 
Sinto os pingos que me pesam como toneladas
Cai chuva em mim, no meu eu inteiro
e no meu coração aflito neva e chora a comoção, o embaraço e a solidão.

Só sei que tenho frio, e não quero nada
Porque queria tanto do tudo e não posso

Enrolo-me numa bola como se fosse uma concha e assim fico
Até mais logo, só um pouco.

Não posso parar de viver que ainda é cedo, 
mas lamentar a dor, eu posso
Enquanto tiver palavras, papel, dedos e mente
eu direi ao mundo, 
gritarei ao vento os meus ais profundos os meu lamentos


sexta-feira, 15 de março de 2013

Sou filha do nada...


Sou filha das trevas, do mar mais revolto, 
sou despida de tudo, não sou nada nem gente
Se tu, pai, que não conheço, não me sabes, não sinto, 
mas és, se tu não me tivesses feito:
de um sexo parvo e louco, 
de um sentir prazer cego na tua carne e apenas isso
E tu, mãe, não me tivesses parido eu não escolheria a vida, 
não, sem vos ter sempre comigo
Não existiria, não era eu nem gente, não seria ninguém, 
mas isso pouco ou nada me importaria

Teria uma existência nula, 
seria poeira, lixo, células mortas, uma utopia, só isso
Tudo preferível à minha essência miserável e crua, 
algo que vive em mim e adivinho sempre triste
Não era infausta, não via a mágoa, 
e sem sentidos: não provaria a dor na desgraça e na angústia

Que me importa saber se há lágrimas de alegria, 
se há gente que ri, que se diz bem e sabe tudo
Se choro e sou triste em ser, se as lágrimas me vestem de luto, 
sinto tortura e a dor se faz só minha   
Se me causam ânsia e temor, 
me caem do rosto e por ti vão até ao chão,
sujando-me de pesar e pena

Perder um filho, perder um amigo, o nosso amante, 
o ente mais querido, o nosso porto mais firme
Perder um braço, nele mil abraços e tudo do tudo, 
perder a mente: o pensamento que nos faz gente
Isso fere na alma, mata por dentro o nosso ser, tira-nos o ar, 
faz-nos morrer de pena lentamente
Perder o pai que existe vivo, que é, mas nunca foi nosso:
 para mim é tortura, é gritar e secar da alma 

Vegeta-se descalço, nus no coração, 
sem abraços de sangue, o dar de mãos e morre-se aos poucos:  
sem memórias dos  afagos, sorrisos e abraços nunca dados,
o vazio de nada ter dele além do nada
Esvai-se em nós a esperança de o termos ainda. 
Vive-se e constrói-se um mundo frio e diferente
E como o sangue jorra de uma ferida, 
solta-se de nós, de um golpe só, um “AI” maior e sem raízes   
Vem o gelo, a noite escura, a cor negra do vazio e sozinhos presos a nada, 
flutua-se no cheiro a bafio

Pai, tu que és e vives, a quem eu não pedi para ser gente, 
porque me fizeste nascer e estar aqui?
Tenho medo pai, ouve pai, estou sozinha, 
está escuro e eu tenho receio de tudo,tenho medo da vida
Preciso há tanto do teu apoio e regaço, 
das tuas mãos a afagarem-me o rosto, a cabeça e os cabelos
Preciso que me faças esquecer 
que o vermelho não é só sangue e dor, guerra e sofrimento:
que és tu pai, e uma papoila, uma rosa florida 
e uns lábios ternos (os teus), a dar-me beijos doces 



quarta-feira, 13 de março de 2013

ESTOU FELIZ...estou no BRASIL que TANTO amo:)

 INÊS MAOMÉ ( ESCRITORA)


O MEU SEGUNDO LIVRO




Que bom poder dizer às pessoas que me visitam e sei que muitas são do BRASIL, país que eu amo, e onde já fui muito feliz que o meu livro "MULHERES SINGULARES", uma história linda de amor está distribuído nos locais que deixo em baixo.

Obrigada a todos que o adquirirem. A gratidão será pouco, para vos dizer o quanto importante é para mim saber, que se quiserem me poderão ler, que as palavras que escrevo aqui neste meu canto tão frio e escuso, vão estar à vossa disposição. Sinto-me feliz e muito orgulhosa.

Obrigada pelo vosso carinho e apoio. No silêncio das palavras sinto que estão comigo:)





O MEU livro estará com toda certeza na loja virtual Solivros (www.solivros.com.br) e também na Saraiva.

Para além disso, a obra será apresentada nestas livrarias:
* ainda não há encomendas para já, mas tudo leva o seu tempo.

Sabor & Saber Livraria Café
Av. São Pedro, 300 - Loja 109. Centro - São Pedro da Aldeia, Rio de Janeiro

Livraria do Café
Rua Marquês de São Vicente, nº 52, loja 338
CEP 22451-040 Rio de Janeiro

Livraria Notre Dame
Av. XV de Novembro 1883, Loja 37 – Centro.
Nova Petrópolis
CEP 95150-000. RS

Ama Livros Ltda
ME. Rua Humberto Felipe nº 35 CEP.: 93224-450
Bairro Sete. Sapucaia do Sul. RS

Livraria Sucelus.
Av Borges de Medeiros, 2727 Centro Gramado RS sala 23/25 Rio Grande do Sul

Livraria Contextos
Av. Juarez de Távora, 531 C Bairro Torre
CEP 58040-021 João Pessoa. Paraíba.

Kactus Livraria e Papelaria
Rua Barros Falcão, 6 - Loja 1, CEP 40255-370 Salvador. Bahía.

Livraria Lua Nova - Benfica
av 13 maio 2861, Bairro Benfica CEP 60040-531 Fortaleza. Ceará.

Livraria Didática - Setor Central
Rua 4, 789 - Setor Central, Goiânia - GO, CEP 74020-060, Goiânia. Goiás.

Livraria o Mensageiro
Rua Laranjeiras, 30 Centro. SE, 49010-000 Centro, Aracaju. Sergipe.

Livraria do Chain
Rua General Carneiro, 441
CEP 80.060-150 – Curitiba. Paraná

Rondonlivros
Av. Marechal Deodoro, 2821 – Centro. CEP 76.801.260 Porto Velho. Rondônia

Praia do Suá
Av. Leitão da Silva, 303, Praia do Suá
CEP 29050-045 - Vitória. Espírito Santo.

Shopping Vitória
Av. Américo Buaiz, 200, loja 104/104A, Enseada do Suá, Praia do Canto. CEP 29050-902 - Vitória. Espírito Santo.

Shopping Norte Sul
Av. José Maria V. Santos, 400, loja 146, Jardim Camburi. CEP 29092-105 Vitória. Espírito Santo.

Shopping Jardins
Rua Carlos Eduardo Monteiro Lemos, 262, Jardim da Penha
CEP 29060-120 - Vitória. Espírito Santo.

Logos Livraria Virtual

Livraria Rodoviária
Plataforma Superior da AERB Ljs 8-9-10 ASA SUL. CEP:70089-970 Caixa Postal: 3543 Brasilia. DF.

Horizonte de Saber Distribuidora
SQS 212 Bl:A /605 Asa Sul Brasília DF CEP 70275-010. DF.

Betel Livro & Café
Rua Guiomard Santos, 348 Bairro Bosque. CEP 69.900-724 (novo) Rio Branco. Acre.

ALVES LIRA LTDA
RUA HENRIQUE MARTINS, 396 - CENTRO
CEP: 69010-010 Manaus. Amazonas

MS Distribuidor
Rua Maracaju 607. Bairro Vila Cidade. Campo Grande. CEP: 79002-210. Mato Grosso do Sul


O MEU PRIMEIRO LIVRO


domingo, 10 de março de 2013

Não posso dizer-te ADEUS



Como posso dizer-te adeus eternamente
Se vives em mim e em ti, 
se comigo me completas e em ti te faço um ser inteiro,
Se o meu sentir e o teu querer é o mesmo e nosso
Se o que sinto por ti e tu por mim, 
não é amor, pois isso é pouco
É carne rasgada, 
dor com amor sofrido e doce, 
é um prazer estonteado e louco
É sermos dois num só, 
é sentir-me respirar pela tua boca e tu pela minha
É viveres, caminhares, existirmos eu no teu e tu no meu ser, 
mas sempre num mesmo corpo

Como posso dizer-te adeus, 
se ao ires eu vou contigo, 
se fores ficas comigo para sempre?

Há muito, 
desde antes de nascer o “amor”, 
que eu e tu já éramos  um só e juntos
A mesma pele, 
o coração coeso a bater sempre e só  um mesmo compasso
E a carne o nosso sangue e as veias, 
aquilo de que somos feitos, 
era único
Na dor e no prazer cedo percebemos em nós algo singular, 
cândido e belo
No sorrir e no chorar, 
na alegria e na desgraça, 
no dar e receber
fomos um do outro no mesmo corpo amante, 
mal amado eu sei, mas isso que  importa,
somos uma só matéria, 
um ser perpétuo, inequívoco, 
ligado para todo o sempre

Viver e caminhar juntos, 
foi o nosso lema eterno, 
algo que nos pertence, só nosso.

Eu sou o teu mar, 
tu és o rio que me inundaste, em mim entraste e  ficaste para sempre
Tu és a fonte viva, 
eu sou a água pura que dela jorra: ontem, hoje e eternamente
Eu sou a areia, 
tu o oceano que em mim se espraia  e eu consinto sempre violento ou calmo
Tu és o céu e 
eu sou as estrelas, eu sou o Sol tu és a Lua,
 tu és o trovão eu sou o raio
Eu sou a tinta tu o pincel,  pela mão do pintor existimos e juntos 
damos vida e cor à tela
Tu és o dia eu sou a noite, 
tu és a noite e eu o dia e assim será indefinidamente

Não posso dizer adeus às estrelas 
que mesmo sem brilho existem senhoras do firmamento

Vais partir amor, 
mas não vais só e nem eu assim fico: tu e eu sabemos isso.

Unidos na vida, 
aqui ou noutro espaço, 
juntos seremos um só, 
mesmo para além da morte.

INÊS MAOMÉ


Fotos do Google